17 de julho de 2007

BONECA DE PANO


As pernas longas e finas. Os braços desciam desengonçados até os joelhos. A cabeça chata e fofa, fazendo cair nos ombros duas compridas tranças de cabelos pretos, com uma fita branca nas pontas. Os olhos pareciam dois sóis, como as crianças pintam quando começam a desenhar.
Essa uma boneca de pano. O nome? Não tem nome. Se quiserem, podem chamá-la de Rosinha.
Perceberam que essa boneca não tem os pés nem as mãos? Estão amarrados com nó cego por pedaços de barbante bastante forte, para que o enchimento não saia e o corpo não perca a forma. Mas é tudo mole.
Essa era a boneca que Mariazinha passava o tempo a brincar na varanda da casa. Mariazinha tinha três anos e vivia só. Não tinha uma irmãzinha para conversar. Então, Mariazinha conversava muito com a Rosinha. A menina perguntava e respondia ao mesmo tempo. Um monólogo, porque Rosinha não sabia falar. Às vezes, Mariazinha fazia de conta que pegava um gatinho, fechava as mãos e mostrava para Rosinha. Depois, abria as mãos e dizia que o gato havia fugido. E ria!
Mariazinha ensinou Rosinha a andar. Erguia os dois braços da boneca, colocando o corpo dela entre suas pernas e cantava uma música de ninar, repetindo várias vezes. E andava pra cá e pra lá na varanda. Depois, se dizendo cansada, colocava a boneca numa caixa de papelão feito cama.
A menina Mariazinha cresceu. Foi para a escola e se esqueceu da boneca. Estudar e trabalhar passaram a ser a sua preocupação. Formou-se médica. Hoje, é a doutora Maria Augusta. Um dia, começou a se lembrar do passado. Quando brincava com a boneca de pano. Correu em busca da caixa de papelão, que havia guardado entre suas coisas de criança. A caixa estava vazia. Maria Augusta ficou muito triste e chorou.
Rosinha não sabia falar, mas aprendeu a andar com Mariazinha. Será que ela foi morar com outra Mariazinha?


3 comentários:

Ludovico disse...

Este é um teste para se saber como utilizar este espaço.
Esta Boneca de Pano é linda.

luciana (sua filha) disse...

Que bom que deu certo o teste do comentário....

BJS

Maria Emília M. Redi disse...

Parabéns!